domingo, dezembro 21, 2008

Agora que não há mais preocupações escolares e relacionamentos pendentes, me deparo com o vazio.
O fim talvez tenha dessa sensação. Essa cara de "então era isso?".
A gente se mata por 355 dias (por enquanto) e enfim, era só esse o momento tão esperado. Assim, sem nenhum frenesí. Sem expectativas, sem almejos, sem ânsias, sem esperanças.

Quiçá seja reflexo dos contos de Machado de Assis que li hoje.
E definitivamente não sou a melhor pessoa para versar sobre o vazio. Eu nego a sua existência em mim. E não sei falar do que não se me é.

É a "nostalgia da lama".
É a necessidade de uma cartomante.

4 comentários:

Bianca Burnier disse...

Antes de tudo acabar jogava Tarô virtual...
Necessidade de prever o nada que nos completa.

Ferreira, Lai disse...

Antes de tudo, rasgava "A paixão segundo G.H."
Brinks.

Ferreira, Lai disse...

Confesso que Machado também não é o meu favorito.
>.<

Chay disse...

Lai, lê esses contos que eu botei o link.

E eu já fui viciada em I-Ching virtual. Aquele site faz muito sentido, inexplicavelmente.