segunda-feira, outubro 20, 2008

Absorvente

Com abas, sem abas, de redinha, perfumado, fluxo moderado, fluxo intenso, care free, noturno. Inventam problemas para venderem soluções.
Por que eu não posso usar o mesmo que você?
Só porque a sua bunda é maior que a minha?
Só porque você é homem?
Ah, vamos lá, experimente! Sinta-se como a gente! Afinal, é só sangue. Só sangue sujo. E o filho que não veio.


E se vazar?
Ai, se vazar!
Que vexame pra você! Que vergonha do coração vermelho na sua calça! Mas pra ele isso é libertação. Será que ninguém nunca pensa em como se sente o pobre vilão absorvente?
Sufocado, apertado, afogado em sangue sujo e desconhecido. E depois de tudo isso, é enrolado e vai pro lixo! Até você, Dona do Sangue, tem nojo dele. Mas o absorvente tá lá, descartável, desagradável, mas tá lá, tapando o seu buraco.
Coitado mesmo era o absorvente da tua vó, que era sempre o mesmo: usado, lavado, reusado. Só descansava quando o maldito fluxo resolvesse acabar. Mas mês que vem ele volta, porque corações foram feitos para enfeitar o peito dos sentimentais e as cartas de amor e não a bunda da sua avó!

6 comentários:

Ferreira, Lai disse...

Eu tive que postar esse texto aqui. Explica-se só pelo título.=]~


E isso era um poema. Um poemão, na verdade, mas eu sou muito ruim pra "montar" poemas, então fiz virar prosa, mas mesmo assim ficou esquisito...
Bler.

chayenne f. disse...

eu já tinha lido, la la la la la la
:P

posta o do cara do ônibus!
(:

Ferreira, Lai disse...

Nãão....A do cara do ônibus é gigaantee...E tá um cocô...
Bler...
Acho que você foi a única pessoa que leu essa...

tali. disse...

eu qro a do cara do onibus

Daniel disse...

Eu já usei absorvente.

chayenne f. disse...

eu também.





toda vez que leio, é como se nunca tivesse lido.
pelo saco da laiane, beijos.