segunda-feira, outubro 27, 2008


Às vezes eu me impressiono com a minha capacidade de me identificar ou mesmo me reconhecer numa música, filme, texto ou imagem.

Como se inventasse a cada vez que reconta uma história, uma nova roupagem pra mesma situação.
Sem esses artifícios, meu mundo ficaria bem mais digno da pessoa que não sabe lidar com as palavras direito, numa proporcionalidade menor à destreza com os sentimentos.

Azar de quem não gosta de música (Daniel, essa foi pra você :P), de quem não tem hábito de leitura, de quem tem um dvd quebrado.

Falando nisso, vou reclamar (desculpem, quiçá seja o que faço melhor) da vida.
Desde que meu dvd quebrou, eu não consigo mais construir uma linha de pensamento decente (ou pelo menos tenho reconhecido uma maior dificuldade). Nem sei lá, escrever um post que faça sentido. Acho que fiquei muito abalada psicologicamente. Mais abalada do que permitiam as normas de segurança.
Estão todos condenados à minha mais do que nunca, confusa maneira de me expressar (ou não, porque nem sempre [palavras do mestre merecem vir em negrito, itálico, sublinhado, caixa alta e coloração fúcsia).

Que fique claro que a culpa não é só do defeito do meu queridíssimo e saudoso aparelho reprodutor de discos digitais de vídeo. Porque eu acredito na revolta dos objetos. Se ele descobrir o quanto achei sacanagem ser abandonada assim, talvez então, seja mais um a encarnar o palhaço de Fluorescent Adolescent. E vocês sabem [ou pelo menos alguns], o que aconteceria.



Até um momento de melhor clareza mental.



Mas antes de ir, um comentário ligado aos comentários do último post do blog da Laiane (ao qual até hoje não contribuí, apesar da co-autoria concedida, com a qual me sinto deveras agraciada):
Estou num momento esponja. Não tenho mais nada (se é que já tive, desculpem o excesso de falsa modéstia que muitas vezes parece existir apenas para provocar aqueles pequenos elogios que quase servem para manter a estima num nível mínimo seguro) a ser absorvido, mas preciso absorver. E muito. Porém, me sinto uma esponja no meio de algum deserto muito brabo (não se ofendam, minhas leituras têm sido o oásis).
Essa é a razão desses postzinhos assim de merda, que nem mais prolixos ousam ser.

12 comentários:

chayenne f. disse...

Segundo post que começa com "Às vezes". Só reparei agora.

É porque às vezes né, não é sempre. Porque nem sempre.

Igor Dorneles disse...

Chay isso acontece muito comigo tbm estou aqui pra flar que me senti muito contemplado com seu post ^^

Ferreira, Lai disse...

HE

Porque nem sempre.

Sério, essa frase fez sentido agora, bastante sentido. Talvez não o suficiente, mas já foi um bom avanço.

E esse post me deixou curiosamente abalada: Chay, vocÊ usa TANTO ASSIM o dvd? Ou é como uma questão de segurança, só o fato de ele estar ali já te faz bem?

E a revolução dos objetos, se já não passou e nós não vimos, ou está pra começar, ou está passando na nossa frente e nós fingimos não ver. Eles são discretos e a culpa é nossa. Pode acontecer de nem notarmos e aí sim, eles ficaram magoados e mimimi para sempre e teremos que nos virar com pedras e pedaços de madeira que nem anigamente.

Ou então a revolução talvez nem seja assim. Não sei se é de fora pra dentro ou de dentro pra fora. Não sei se isso fará diferença, mas espero que sim.

E esponjicamente falando, eu absorvo. Absorvo a Chay, absorvo o Daniel, absorvo o Vini, a Talita, a Carol, o meu irmão, a professora de natação. Acho que só falta absorver a mim mesma, para que os outros possam, asim, me absorver melhor.

Ou não, porque nem sempre. =]

E Chay, ultimamente eu só venho me sentindo mais serelepe por ler o que você escreve. Me soa espontâneo, vomitado, até mesmo confuso, mas sempre "reagível"(ou seja, provoca reações, seja para bem ou mal) e é claro, melhor do que Clarice, isso SEMPRE.

O ABSORVA corresponde.

Ferreira, Lai disse...

PS1: meldels, quantos erros de digitação.

PS2: eu tô ficando viciada em dissertar pra caraleo e em "PSs".

chayenne f. disse...

"P.S." demais é coisa de Daniel.

Falando em absorção:
lindo né, cara. A gente tá se absorvendo tanto (vou logo avisando q tô passando por uma das crises de felicidade imensa das quais sofro). Ele era o estagiário de filosofia e agora a gente fica se absorvendo geral, nas janelinhas de comentários. Os blogs são o que mais têm me feito bem nos últimos tempos.

E você finalmente entendeu que um blog com o nome "porquenemsempre" não é só porque sou fã do carinha do Los Hermanos. Agora sim, você começará a entender mais das minhas coisas. Já entendeu o principal: todas alta e rapidamente perecíveis.

Sobre revolta dos objetos, lembre-se da história do lápis Bic Evolution.

E eu até ficaria envaidecida sabendo que você gosta mais de mim do que da Clarice Lispector, se não soubesse que pra você, ela é uma fudida. uhsauhsae


Ahh, reações. ADORO reações. Adoro adoro adoro. São a razão do meu existir.

Igor Dorneles disse...

Eu nem quero me gabar eu já tinha entendido, cara isso é tão lindo essa possivel relatividade da vida, mas que naum é concreto por não ser relativo





Confuso mas é exatamente o que eu queria falar

chayenne f. disse...

igor, não entendi.

laiane, esqueci o que vim esclarecer aqui.
*dá uma olhadinha no comentário*
ah sim. não, não usava tanto o dvd assim, mas ele estava sendo fundamental para o meu existir confortável.

Daniel disse...

Pô, nunca fui tão citado num post antes! Isso só pode significar que tô virando modinha. Vou trocar o "quem sou eu" do orkut.

Tipo, o bom é que o Absorva inteiro é uma grande esponja (faz sentido, né), ou uma grande laranja, transbordando (que é uma palavra muito ruim, já que nenhuma das duas analogias tem bordas) conteúdo. Mas Chay, no fim, acho que não é o blog (ou os blogs) que estão acontecendo. Eles são só o continente de um conteúdo que você (e eu, e a Lai e todo mundo) tem que aprender a achar em todo lugar..

Ah, e eu gosto sim de música.. Hauehuaeh!




PS: Obrigado por lembrar que eu quase já não sou mais o estagiário de filosofia com seu "era". Tô muito triste de sair de lá, sabia?

PPS: Quem disse que eu escrevo muito PS?

PPPS: Droga.

PPPPS: Pena que vocês não têm a sexta, vocês podiam levar algo que escreveram pro pessoal [cada um vai levar o que acha que sabe fazer melhor (tô pressupondo que vocês achem que é isso)] ouvir - ou ler.






Nossa, eu tô usando muitos parênteses.

Igor Dorneles disse...

relatividade é sobre porquenemsempre ou as vezes.

chayenne f. disse...

Eu só sei escrever digitando. u_u

E eu não falei que você "era" o estagiário de filosofia pq vc vai sair de lá, eu falei isso porque agora você é mais do que só o estagiário de filosofia ué.
Qualquer coisa a gente te visita no IFCS e vc visita a gente lá no CPII. :P

Nemli seu "Quem sou eu" do Orkut.

Daniel disse...

Pô, que lindo!

; D

chayenne f. disse...

hahaha
tá ficando meloso isso aqui